domingo, 19 de março de 2017

AS 10 DICAS INFALIVEIS PARA CUIDAR DE QUALQUER ORQUIDEA

Cattleya Pão de Açucar- Hibrido obtido do
cruzamento entre espécies de cattleya.
Uma orquidea que consegue se  adaptar
mais facilmente pois tem em seu DNA
a herança genetica de seus progenitores. 
A grande dificuldade no cultivo de orquídeas é basicamente falta de informação, ou pior que isso a informação errada! No inicio com a vontade de ver a planta florindo ou crescendo rapidamente queremos acertar no cultivo, mas se erramos na maioria das vezes podemos perder a planta de vez ou deixa-la anos e anos tentando se recuperar da nossa própria barbeiragem. Isso é um cenário muito ruim e para evitar isso podemos seguir dicas simples que vão ajudar a manter as plantas saudáveis e florindo todos os anos trazendo alegria e beleza para nossa casa.
Abaixo fiz uma lista com 10 dicas infalíveis para você cuidar de sua planta sem prejudica-la:





Phalaenopsis- de fácil cultivo aqui no Brasil,
  pois é de clima tropical, exige um 
sombreamento diferenciado e uma boa 
ventilação. O vaso mais usado é
o plastico transparente desenvolvido 

especialmente para elas pois suas raízes 
ajudam na fotossíntese!
Dica-1- Conheça a espécie que esta levando para casa!


Quando adquirimos uma orquídea não procuramos saber é se ela tem nome, mas saber o nome da planta é o que vai facilitar na hora de buscar informações sobre ela. Como no mundo todo existe uma infinidade de espécies e híbridos de orquídeas é natural que existam diferenças no cultivo delas também.
Algumas plantas gostam de mais luz, outras de mais sombra, enquanto outras preferem mais umidade e ainda existem aquelas que necessitam de maior ventilação.
Todas essas necessidades vem basicamente do clima da região de onde aquela planta é originaria ou no caso de uma planta hibrida, passada pelos pais no cruzamento. 
Quando passamos a saber mais sobre de onde vem a planta podemos tentar reproduzir isso em nossa casa tornando o cultivo mais fácil e prazeroso!





Epidendrum latilabre vegetando em ambiente
natural, mostrando exuberante floração e 

saúde acima de tudo, pois no meio em que
 vive consegue todos os recursos que precisa.
Dica-2- Aprenda a aclimatar sua orquídea!


 Quando adquirimos uma orquídea e levamos para casa, primeiro ela vai se adaptar, pois são plantas dependentes do ambiente e de três fatores básicos encontrados nele: VENTILAÇÃO, ILUMINAÇÃO, UMIDADE AMBIENTE. 
Com essa informação fica mais fácil "socializar" essa nova planta na sua "nova casa" se respeitar esse tempo de adaptação que a planta necessita.
É um período em que ela regula a luz que recebe nas folhas e orienta sua direção de crescimento entre outras coisas. Se alem dessa você possui mais plantas por precaução seria indicado deixar essa nova planta separada das demais durante algum tempo, como num período de quarentena ou até que você perceba se ela não possui nenhuma doença ou ainda se no substrato do vaso existam inseto nocivo as orquídeas como caracóis e lesmas. 
O normal de qualquer planta é "sentir" um minimo de estress nessa nova mudança, podendo desidratar levemente os bulbos, mas se as folhas apresentarem desidratação poderá estar acontecendo um problema nas raízes. 
O ideal no começo é tomar muito cuidado com a rega dessa nova orquídea e com excesso de umidade do substrato, pois é fatal para apodrecer as raízes e abaixar o PH tornando-o acido rapidamente e favorecendo a proliferação de fungos.
 Prefira deixar sua nova orquídea em local fresco e arejado e que não tenha temperaturas extremas nem oscilações bruscas de temperatura e no caso das plantas adquiridas com flor o ideal é que deixe-as primeiramente enfeitando o ambiente de sua casa com pouquíssimas e esporádicas regas até as flores murcharem primeiro antes de coloca-la no cultivo com as outras.
  




Phalaenopsis- De crescimento monopodial a
planta só necessita de replante quando o
substrato estiver saturado, o que leva em
media até dois anos. Este exemplar da foto
já tinha começado a perder suas raízes por 

apodrecimento porque passou da hora do 
replante e o substrato em estado de 
deterioração e com o PH muito acido 
acelerava esse processo. 
Dica-3- Saiba a hora certa de replantar!


Se alguém disse a você para replantar sua orquídea recém adquirida não leve isso ao pé da letra e saia arrancando ela do vaso... Tudo que envolve uma orquídea ou qualquer outra planta necessita avaliação exclusiva de quem cultiva e muita paciência e observação, pois são seres vivos e mexer antes da hora pode causar um estress maior alem do que ela já tem quando chega a um novo ambiente de sua casa. 
Normalmente um novo replantio deve ser feito sempre no inicio do crescimento ou porque o substrato chegou ao limite da durabilidade e esta começando a prejudicar a planta ou porque a planta já esta grande e "saindo fora do vaso".
  As espécie de crescimento monopodial, que crescem apenas para cima, como a espécie phalaenopsis, o replante só acontece quando o substrato fica velho e com o PH muito baixo( cheiro forte de matéria decompondo e substrato esfarelando na mão são sinais de deterioração.)
Toda espécie de orquídea vegeta em etapas ou ciclos, onde o inicio é a brotação de novas folhas, bulbos e raízes. O final do ciclo vem com a floração e a dormência, que é um período onde a planta se recupera da floração e se prepara reunindo energia para iniciar o novo ciclo.O tempo de cada ciclo pode ser definido como um ano em media e melhor momento desse período para replantar uma orquídea é sempre no inicio do ciclo onde a planta estará com o crescimento dos novos bulbos e raízes a pleno vapor, conseguindo dessa forma enraizar rápido no novo substrato. 
Cattleya warnerii- Prefere umidade acima 
de 60% e seu replante pode ser feito quando 
o exemplar estiver no inicio de novos 
brotos e raizes. Dessa forma a planta poderá 
enraizar no novo vaso mais rapidamente
Mexer antes ou depois da hora normalmente não traz um bom resultado. Como na orquidofilia nada é absoluto é sempre necessário criar o bom senso no cultivo, afinal estamos lidando com plantas que são seres vivos e que também sentem as mudanças do ambiente e do que fazemos com elas. 
Aprenda que há casos e casos onde quem cultiva é que deve avaliar usando as informações que conseguir sobre a planta adquirida.
 Como regra geral para fazer um replante numa nova orquídea adquirida devemos esperar um minimo de tempo de adaptação da planta na nossa casa apos o primeiro mês e se a planta estiver mostrando sinais de  atividade como um novo broto ou raízes novas. É preciso ter em mente que na natureza tudo é relativo por isso não se pode levar em consideração o absoluto e no cultivo de orquídea a observação é chave para saber o que a planta necessita e qual a hora de replantar.



Vanda sanderiana- este tipo de orquidea possui
pouca reserva de água sendo necessário no
minimo duas regas diárias, Suas raízes
crescem de forma aérea e se não houver
umidade no ambiente a planta não
prospera!
Dica-4-Muita atenção as regas!


Já me dizia um antigo amigo orquidófilo: "regar uma orquídea é uma arte pois nesse momento brincamos de ser a natureza".  Dada a importância que a água tem nas funções da planta sempre procurei definir a minha rega pelo ambiente que tenho aqui para elas. Um dos erros mais comuns é deixar de fornecer a umidade necessária as orquídeas, por isso primeiro a gente deve aprender qual a necessidade real que uma planta tem de água e depois baseado nisso definir a periodicidade das regas.
Se o Hobby for aumentando é possível montar um sistema de rega com canos de pvc comum e aspersores, obtendo mais qualidade, homogeneidade e exatidão nas regas que é fundamental para manter a hidratação das plantas e a manutenção da umidade no ambiente diminuindo as oscilações muito grandes de temperatura. Usando a criatividade também é possível ter uma fonte ou um pequeno lago próximo as plantas deixando seu cantinho com cara de beira de rio, onde a umidade noturna faz toda a diferença na hidratação das plantas!




Uma fonte, ou mesmo um pequeno lago favorece 
demais o cultivo de orquídeas pois 
principalmente a noite a umidade gerada 
pela água próxima ajuda a reidratar as plantas. 
Se você possui espaço e criatividade 
pode criar seu pequeno oásis particular!
Dica-5- Crie o ambiente ideal para as orquídeas!


 A umidade no ar para uma orquídea vegetar bem é acima de 50%, e se chegar a estar abaixo de 30% as plantas poderão se desidratar rapidamente, o que aliás também ocorre conosco,  por isso a umidade do ar deve ser levada a serio no cultivo das orquídeas. Apesar de não conseguir enxergar a umidade no ar, é ela  que vai fazer toda a diferença na beleza e na saúde das plantas.
 A maioria dos habitats de floresta são locais onde existe bastante umidade noturna que começa com o sereno no fim do dia e vai até o orvalho da manhã quando o sol nasce novamente. É tanta água disponível que as plantas mais rentes ao chão ficam molhadas mesmo sem ter chovido, então se o ambiente que você tem na sua casa é muito seco, não adianta apenas jogar a água porque o excesso de regas também retira uma parte dos nutrientes da planta "lavando" o substrato e causando outros problemas com o passar do tempo.
Para acertar a umidade ambiente para se cultivar orquídeas em casa, devemos tentar imitar a natureza. No meu orquidário por exemplo, possuo vasos com outros tipos de plantas como folhagens e bromélias no chão em volta de onde tenho as orquídeas mantendo uma umidade interna do orquidário por mais tempo. Mesmo que eu não molhe os vasos das orquídeas, eu costumo molhar os vasos colocados no chão, pois dessa forma a umidade permanece durante a noite e só vai evaporar no dia seguinte com o aumento da temperatura. Acima das orquídeas, utilizo o sombrite que diminui a intensidade de luz e a temperatura interna do orquidário. 
O meu orquidário fica na lateral da casa, de um lado
 em bancadas e do outro penduradas. a terra abaixo
mantenho molhada pois rego todos os dias.
Isso garante uma boa umidade noturna para as plantas.
As minhas orquídeas ficam colocadas em bancadas e também penduradas simulando como vivem na floresta fixadas nas arvores.
 Dessa forma consigo simular um pequeno pedaço da floresta na minha casa e você também pode fazer isso na sua.
Existem outras maneiras de aumentar a umidade relativa do ar, como por exemplo uma pequena fonte ou lago artificial próximo as plantas. enfim utilize a criatividade e pratique a observação do meio natural, e crie seu oásis particular!



O espaçamento entre os vasos é importante para favorecer
uma boa ventilação, fator crucial para favorecer a saúde
das plantas dificultando inclusive o ataque de pragas.
Dica-6- Evite aglomerações de plantas!


 Apesar de ser benéfico para a umidade ambiente ter uma boa concentração de plantas em seu orquidário, jamais deixe essas plantas muito juntas. É necessário haver um minimo espaçamento entre os vasos tanto os pendurados como os que ficam em bancadas porque pode comprometer a ventilação do ambiente e isso traz consequências desastrosas. A aglomeração de plantas com os vasos encostados uns nos outros também pode acarretar problemas com insetos nocivos que aproveitam a minima distancia para se locomoverem melhor e também se esconder melhor. Alem disso se houver plantas atacadas por fungos a aglomeração dos vasos vai facilitar a contaminação nas plantas próximas com a disseminação de esporos(sementes do fungo) que se espalham para as folhas das outras plantas e depois germinam causando as terríveis pintas pretas.Evite também ao máximo deixar as plantas no chão pois alem do problema de ventilação insuficiente o risco de ataques por fungos e insetos é maior. Os fungos do solo são os mais agressivos e perigosos para as orquídeas. O ideal é manter as plantas num minimo de um metro do chão e com um espaçamento razoável entre os vasos para que não encostem um no outro.



Uma joaninha pode comer até 50 pulgões por dia!
Este é um exemplo de um ótimo aliado das orquídeas! .
Se você usa venenos para matar as pragas também
 mata seus predadores. Uma infestação de qualquer
praga primeiro indica deficiência no ambiente
e no cultivo.
Dica-7- tenha um controle de pragas preventivo e natural!




Atualmente com a quantidade de grupos de assuntos relacionados as orquídeas que existem nas redes sociais a propagação de informações sobre maneiras caseiras de se lidar com insetos nocivos e fungos aumentou muito. Acredito que muitas pessoas como eu aprenderam boas dicas de combate as pragas e doenças sem a necessidade de usar venenos, usando apenas receitas caseiras com pimenta, alho, canela, e produtos naturais como o óleo de neem e uma gama de outros produtos repelentes e inseticidas naturais  que não trazem risco as plantas, nem animais, nem nós humanos, e são muito eficientes! 
www.agrooceanica.com.br
Orquídeas são plantas muito resistentes, mas fora de uma floresta pode ficar vulneráveis se o ambiente for ruim. O grande risco real para que uma planta seja atacada por uma praga ou contaminada por um fungo é estar em ambiente inadequado. 
Alem disso quando vamos cultivar muitas plantas juntas devemos seguir alguns procedimentos para prevenir a propagação de fungos e insetos nocivos entre as plantas nesse ambiente. Sempre mantendo uma boa higiene em vasos, substratos e instrumentos de corte, esterilizando tudo antes de usar em uma orquídea. 
Muita atenção a limpeza das mãos antes de tocar nas plantas, pois nós somos os grandes vetores de fungos, vírus e bactérias.
Fatores como excesso de umidade nas raízes, sombreamento excessivo, desnutrição ou ainda falta de ventilação e luz para a fotossíntese são grandes vilões para as orquídeas atraindo variados problemas que sempre vão insistir em aparecer independente do que usa para combater e prevenir. Observar e perceber o que realmente desencadeia as situação consideradas ruins para as orquídeas e corrigir é fundamental para evitar que isso aconteça e o grande segredo de se cultivar orquideas.  As praticas menos invasivas e simples são as que dão mais resultado e  mais fáceis com certeza. Num dos meus textos sobre prevenção a pragas e doenças explico de maneira simples que é possível ter qualidade no cultivo e evitar problemas maiores com insetos nocivos, apenas seguindo procedimento que evitem o contagio de fungos e a propagação de insetos nocivos entre as plantas.



Para ter uma floração exuberante é necessário um ambiente
adequado e uma nutrição balanceada e constante. Uma
orquídea precisa receber todos os nutrientes em quantidades
balanceadas, pois utiliza os nutrientes em combinações
químicas para gerar energia para crescer e florir. A falta
de qualquer nutriente pode ocasionar uma dificuldade de
absorção de outros pela planta.
Dica-8-Alimente suas plantas!


Todo ser vivo precisa de alimento e as plantas que cultivamos em casa também. Antes de ser adquirida toda orquídea recebe sua nutrição para poder crescer, florir e ficar atrativa para ser vendida, e se não receber mais os nutrientes que estava acostumada vai se desenvolver mais lentamente e sem o mesmo vigor, alem de ficar vulnerável a pragas e doenças. 
Os nutrientes minerais essenciais para uma orquídea são 13 divididos em macro e micronutrientes: Nitrogênio, fosforo, potássio( NPK). cálcio, magnésio, enxofre são os macronutrientes e  boro, manganês,ferro, molibdênio, zinco, cobre e cloro são os micronutrientes. O ar, a água e a luz são responsáveis por fornecer a uma planta oxigênio, hidrogênio e carbono que compõe 90% da composição vegetal e os outros 10% são os minerais que fornecemos através da adubação. Se a planta não receber os nutrientes minerais terá dificuldades de florescer e também de crescer plenamente. Atualmente existem adubos químicos, orgânicos e organominerais que são usados para fornecer esses minerais as plantas. Antes de decidir qual adubo usar é preciso saber como ele nutre a planta e se vai conseguir fornecer tudo que ela precisa. Todo nutriente mineral é fundamental, mesmo aqueles que a planta necessita em menor quantidade. 
O uso de variados tipos de adubos com formulações parecidas com o passar do tempo causam um efeito contrario nas plantas, como por exemplo flores defeituosas e brotos mal formados. 
Como as orquídeas possuem reservas, uma deficiência pode demorar a se apresentar se você não forneceu os nutrientes de forma correta para as plantas.

www.agrooceanica.com.br
O grande segredo na adubação é entender que na nutrição das plantas os excessos são prejudiciais e as faltas também. Equilibrar é fundamental.
O uso de vitaminas, como a tiamina(complexo B) por exemplo, é indicado para tentar ajudar a planta a enraizar e brotar novamente e seu uso não serve como nutrição pois com o tempo também acaba causando um efeito contrario na planta que deixa de sintetizar as substancias que precisa podendo entrar em colapso. 
Uma orquídea consegue sintetizar qualquer substancia que necessite para emitir raízes e brotos com ótima saúde e com suas defesas em dia se receber todos os nutrientes que necessita. Para quem tiver curiosidade em conhecer o tipo de alimentação que dou para minhas plantas entre no site da agrooceanica:(www.agrooceanica.com.br ) e experimente os adubos da linha aminopeixe, pois facilitam a vida de quem cultiva como hobby. É um fertilizante solúvel em água com ótima diluição e alem de nutrir a planta ainda faz com que se desenvolva melhor mesmo sob condições adversas.
.



Com a escolha correta de vaso e substrato
 para o ambiente que você tem na sua
 casa, as plantas respondem com
muitas raízes, o que confere saúde
e força para sustentar as flores!
Dica-9- Aprenda a escolher corretamente vasos e substratos para o cultivo na sua casa!!

Antigamente não se conhecia mais opções de substratos para o cultivo de orquídeas pois se dependia quase que exclusivamente do xaxim que hoje corre risco de extinção e não pode ser mais comercializado. 
Isso fez com que novos materiais fossem sendo testados, principalmente os de descarte da agroindústria como a casca de macadâmia e o chips de coco. A finalidade do substrato é servir de apoio a planta de maneira que as raízes possam se fixar e permanecer firmes sem compactação, alem de reter umidade permitindo a circulação de ar e a retenção de nutrientes provenientes da adubação. 
Hoje em dia a opção tanto de tipos de vasos para cultivo como também de substratos facilitou e muito o cultivo de orquídea em qualquer parte do nosso país. Dependendo da região e do clima podemos escolher usar um substrato que acumule mais umidade ou não. O segredo dessa escolha é conhecer as necessidades das plantas que você tem em casa e também as particularidades do clima da sua região e relação a umidade ambiente.  Quando temos uma boa quantidade de plantas utilizar o mesmo tipo de vaso e substrato ajuda na definição das regas pois o tempo de secagem acaba sendo igual para todos os vasos. Como existem muitas espécies de orquídeas talvez essa não seja uma tarefa fácil, mas com o tempo e criatividade é possível encontrar soluções para isso. 
No cultivo de phalaenopsis utilizo o mesmo tipo de vaso
 e substrato para todas facilitando a rega,
pois a secagem é igual para todos os vasos.
Quanto mais homogêneo for o seu cultivo, mais fácil para você cuidar  das plantas. Normalmente quando iniciamos no cultivo de orquídeas costumamos sair adquirindo mais pela beleza da planta e flores do que por suas particularidades de cultivo, como por exemplo o clima de origem que o exemplar está acostumado a vegetar. Isso pode atrapalhar a adaptação da planta e fazer com que vá definhando aos poucos confundindo o cultivador e dando a impressão que a planta é frágil. ( Isso não é verdade, pois se nos fossemos colocados num local onde não sobreviveríamos, morreríamos antes que uma orquídea!). Uma espécie de orquídea pode resistir por meses e até por anos em um ambiente ruim e é preciso estar atento para perceber isso e corrigir antes que seja tarde e a planta morra.  
Nesta foto a floração das orquídeas de um amigo que cultiva
plantas da mesma espécie(Cattleya percivaliana). A
vantagem desse cultivo é obter mais qualidade e conseguir
fornecer exatamente o que a espécie está  acostumada
em termos de clima e habitat. Como desvantagem
a floração ocorrendo apenas em uma época do ano,
mas como vantagem a qualidade das plantas se supera
ano a ano!
Eu por exemplo cultivo espécies variadas de clima tropical e prefiro usar o vaso cerâmico para quase todas. O que muda para algumas espécies mais exigentes, é o uso de tronquinhos e cascas de madeira tornando o cultivo mais natural. Para aquelas que preferem mais umidade nas raízes utilizo o vaso plastico e separo dentro do orquidário para facilitar a rega.
 Para não ter problemas com a secagem do substrato utilizo o mesmo para todas diferenciando nos vasos plastico onde uso o pedrisco de rio e o dreno no fundo do vaso para melhorar a aeração interna. Faço furos nas laterias dos vasos plásticos também aumentando a aeração das raizes para algumas plantas. 
Tenha em mente que na orquidofilia nada é absoluto, e o sucesso do cultivo vai depender da sua observação e conhecimento sobre as suas plantas.





Este tipo de recipiente chamado de pau de
 barro acumula água na parte interna e essa
umidade passa através da cerâmica
mantendo as raízes úmidas sem encharcar,

ideal para microorquideas que exigem
excelente umidade no cultivo.
Dica-10- Cuidado com os excessos!

As orquídeas são plantas perenes, que vegetam lentamente ao longo de um ano inteiro para poder florir e por esse motivo qualquer erro pode custar meses, anos e até mesmo não ter volta e o exemplar morrer.
 Uma orquídea vegeta no mesmo sistema que os cactos vegetam, pois dessa forma podem economizar seus recursos garantindo sua vida mesmo em épocas de estiagem.
Naturalmente não existe uma maneira de acelerar esses processos fisiológicos das plantas a não ser praticando um cultivo correto fornecendo tudo o que ela precisa em um ambiente com clima adaptado para elas. Caso o ambiente de cultivo seja inadequado as orquídeas terão mais dificuldade em conseguir recursos e vão vegetar mais devagar ainda. Tentar acelerar esses processos na planta, na maioria das vezes não acaba bem. Ou a planta fica debilitada ou desregulada ou na pior das hipóteses a planta morre. Cuidado com receitas mirabolantes pois uma orquídea é um ser vivo e pode ser prejudicado por você se não houver critério nem conhecimento sobre o resultado do que está fazendo.
No inicio qualquer pessoa que se encanta pelas orquídeas deve prestar atenção a sua própria ansiedade porque é o que mais prejudica as plantas. Mexer antes da hora pode ser mais prejudicial do que não fazer nada. Quando adquirimos uma nova planta na maioria das vezes ela está enraizada e adaptada ao vaso e substrato em que veio e não tem necessidade de ser replantada imediatamente. O que a maioria das pessoas se esquecem ou não sabem é que uma orquídea depois de ser tirada de um ambiente (floricultura por exemplo) e levada para outro, primeiro vai precisar se adaptar a esse novo local para depois estar apta a ser replantada ou dividida. Saber observar os detalhes como a saúde das raízes e folhas e também se a planta carrega pragas ou doenças antes de finalizar a compra é o minimo que podemos fazer para evitar ter problemas com uma orquídea depois que levamos ela para casa. 
Orquídea é um ser vivo como nos, mas com necessidades diferentes. O mesmo que detestamos para nos também pode ser ruim para uma planta, pense nisso antes de sair mexendo na planta na hora errada e sem tomar as devidas precauções como esterilizar os instrumentos de uso e corte.




Potinara Hoku Gem- Hibrido formado por quatro
espécies de orquídea, de cultivo fácil  tolera luz intensa
 e floresce mais de uma vez por ano! 
Estas dicas e praticas podem ser adotadas para minimizar os erros no cultivo e ajudar a entender  as necessidades reais que uma orquídea tem para poder vegetar com saúde e proporcionar muitas flores! As orquídeas são plantas que quando entram na vida de uma pessoa tem a capacidade de mostrar sempre de forma positiva como é possível sermos cada vez mais otimistas em relação a vida, sabendo respeitar cada período dela e aproveitando o que ela tem de melhor sem desistir dos nossos sonhos e aprendendo a conviver em sociedade de forma ativa e feliz! Um grande abraço a todos e muitas flores!!!
                                                            Lucio Ximenes 








terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

CATTLEYA WARNERII- A GRANDE MATRIARCA.

Cattleya warnerii coerulea- Umidade para as
raizes no fim do dia para se recuperar do dia
ensolarado. As plantas adquiridas em produtores
  tem maior qualidade na armação ecoloração,
alem do tamanho maior de petalas e sepalas.
 Essa Cattleya Brasileira não tem uma historia tão misteriosa  como a da Cattleya labiata, que ficou com sua localização verdadeira oculta por decadas.  Mas em termos de beleza é praticamente igual!  
A Cattleya warnerii e a Cattleya labiata tem o mesmo porte vegetativo e flores que se confundem entre os olhares menos experientes, mas algumas particularidades distinguem as duas:
* O padrão de enraizamento das espécies é uma delas. A Cattleya warnerii enraiza o pseudobulbo apos a floração e a sua irmã, a Cattleya labiata enraiza o pseudobulbo antes da floração. 
*Quando florida a Cattleya warnerii apresenta bainhas na cor preta(a palha que envolve o bulbo) e suas folhas se assemelham a colheres, por serem concavas e alongadas. 
*Na base os pseudobulbos a Cattleya warnerii afina bruscamente facilitando sua identificação entre as Cattleyas monofoliadas.
* Seu perfume é único e agradável



Cattleya warnerii tipo - cultivo Mauro Rosim
Esta bela especie de Cattleya é uma das principais Cattleyas monofoliadas da nossa flora Brasileira e que deram origem a milhares de híbridos desde o seculo 19. É uma das grandes matriarcas nos cruzamentos devido ao tamanho de suas flores, seu perfume e a grande facilidade de cultivo se mantida uma boa umidade no ambiente. Era e é ainda encontrada nos estados do Espirito Santo e Minas Gerais e também em parte do Rio de janeiro e da Bahia.  Infelizmente em alguns desses locais talvez não exista mais especimes, pois entrou para a lista das plantas em risco de extinção. Por anos e anos alvo de coleta indiscriminada devido a beleza de suas flores. Desde os seculos 18 e 19 era pratica comum coletores viajarem o mundo atrás de "tesouros", aportando em florestas pelo mundo afora e retirando da natureza desde insetos, pedras preciosas, animais, sementes de arvores e plantas ornamentais como as orquídeas. As orquídeas eram coletadas aos milhares e levadas a Europa onde eram leiloadas.

Muita coisa se perdia ou nem embarcava, pois morria no porto esperando para ser carregado.


Cattleya warnerii concolor- Nessa cor o labelo não se destaca, 
exceto pelo amarelo no alto.

Aqui no Brasil na época da colonização a Cattleya warnerii era comumente usada para ornamentar as residencias dos povos estrangeiros sobretudo alemães e italianos que ocuparam terras dentro do seu habitat. Adiante no tempo vieram pessoas de fora e até estrangeiros que se interessavam pelo cultivo de orquídeas e a cattleya warnerii passou a ser procurada por proprietários de floriculturas, colecionadores adquirindo um maior valor comercial e entrando para o grupos das espécies de orquídeas com melhoramento genético e hibridações.
 Por ser uma Cattleya que possui flores de grande tamanho, até 23 cm de diametro, seus cruzamentos acabam ganhando maior tamanho nas flores. Alem disso existem exemplares com ótima estrutura, coloração e perfume muito agradável que também são atributos passados nos cruzamentos feitos com a Cattleya warnerii. Atualmente existem plantas de grande qualidade que puderam ser clonadas e disponibilizadas aos colecionadores nos orquidários aqui do Brasil. É uma espécie muito resistente tornando fácil seu cultivo, agradando a iniciantes e orquidófilos mais experientes, diminuindo cada vez mais o risco de desaparecimento dela na natureza pois a pratica de multiplicação dela evita que exemplares saiam da natureza.
As plantas encontradas a venda possuem
excelente qualidade. Um exemplo disso é esse
exemplar de cor coerulea que 
consegue 
carregar e manter a floração farta.
A vantagem de se adquirir plantas produzidas in vitro é a possibilidade de possuir plantas com um DNA bem melhor do que as que existem na natureza. São plantas mais adaptadas ao cultivo domestico e de floração superior em tamanho das petalas e sepalas, armação, cor, perfume e quantidade de flores. A minha Cattleya warnerii Coerulea por exemplo costuma emitir 3 ou 4 flores por bulbo, e isso não é só adubação, também é o melhoramento genético das plantas advindas dos orquidários profissionais.
A Cattleya warnerii é uma plantas que costuma vegetar em altitudes baixas, 100, 200 metros não passando muito dos 800 metros em meio natural. Os locais onde ficam contam com boa luminosidade e alto teor de umidade ambiente. As variações são de 15 milímetros de chuva nos meses secos até 350 milímetros nos meses mais chuvosos. As temperaturas no habitat variam de 10, 15 graus até mais de 30 graus no verão e em partes do inverno. 
A floração da Cattleya warnerii acontece no começo da primavera, a partir de outubro, logo depois de suportar as variações de temperatura e a queda na umidade do ambiente durante o inverno. É uma gigante em termos de resistência. Seus pseudobulbos podem atingir  30cm, podendo ultrapassar isso em exemplares encontrados em ambientes mais úmidos aparecendo plantas de grande porte. 
Este exemplar coerulea se preparando para
florir. Emite até 4 flores por
 pseudobulbo. Cultivo facil quando se imita
o habitat com umidade alta.
 A unica folha do pseudobulbo é ovalada, mais comprida do que larga, com tamanho maior que os pseudobulbos conforme a intensidade de luz que recebe. De raízes grossas essa cattleya genuinamente epífita tambem pode ter comportamento de rupícola vegetando em cima de pedras. Vegeta no sistema CAM, mesmo dos cactos onde de dia a planta mantem suas aberturas nas folhas(estomatos) fechadas e a noite aproveita as chuvas e cerrações no habitat para se hidratar. 
Em casa eu cultivo a Cattleya warnerii como outras Cattleyas de raízes grossas e habito epífita, mantendo seus" pés molhados a noite", isto é imitando a natureza com a umidade noturna que é encontrada no habitat. Uso vaso de barro baixo, e substrato duro(pedaço de casca de peroba e carvão vegetal).
 As flores da Cattleya warnerii apresentam-se em variadas cores: Tipo, coerulea, alba, semi-alba, rubra, concolor entre outras mais raras por existirem em menor quantidade: Venosa, albecens, coerulencens, amesiana, amena, suavissima e flamea. A cor tipo apresenta um padrão uniforme onde as pétalas e sépalas são lilases desde o tom mais claro(suavissima) até mais escuro(rubra).


Cattleya warnerii tipo- cultivo Mauro Rosim
O labelo é lilas, mas com uma quantidade maior de cores. Possui uma mancha triangular na parte central interna em tom de lilas mais escuro e diferenciado e a medida que se aproxima da borda os tons de lilas vão ficando mais claros podendo chegar a ser branco sem que a flor deixe de ser tipo. Aproximando-se da inserção do labelo com a flor aparece o amarelo que sobe pelo tubo polínico indo dos tons limão ao amarronado geralmente se misturando ao lilas, que forma de riscos dentro do amarelo causando um grande contraste das cores.
 Para um inseto que tem uma visão diferenciada da nossa, acrescentado da ação da luz do sol sobre as cores, é como se a flor virasse um luminoso em neon que chama muito a atenção no meio do verde e marrom da floresta. Para nos apaixonados pela espécie é encantador essa mistura de cores do labelo da Cattleya warnerii. 
A espécie ainda possui algumas particularidades de cultivo e para quem quiser possuir esta bela planta em sua coleção fica ai as dicas:

 *Passa um longo período em estado latente(dormência) até a floração (Não adianta ficar preocupado e ansioso se isso acontecer).
*Possui espata floral simples, onde a interna nunca ultrapassa a externa.

*Cattleya de flores grandes podendo chegar a 23 centímetros de diâmetro, muito usada em hibridações por isso e pelo perfume marcante.

* A folha que é coriácea faz um pequeno angulo com o pseudobulbo.

 *Influencia muito grande do ambiente no cultivo da Cattleya warnerii. Muita luminosidade pode modificar a estrutura da planta diminuindo o tamanho dos bulbos com as folhas mais arredondadas. A umidade atua da mesma forma, se é precária a planta desidrata e fica suscetível a ataques de pragas e doenças.
 *os carotenoides( moléculas que dão cor as flores) nunca aparecem nas plantas de flores albas, nem nas folhas e nem nas raízes. Inclusive por causa deles as flores de cor tipo e coloridas tem maior tolerância a luz do que as plantas albinas, porque estas moléculas envolvem e protegem a clorofila do excesso de luz.

 *Apos a floração a Cattleya warnerii começa a emitir raízes novas e essa é a melhor hora de dividi-la. Para isso conte pelo menos 4 bulbos para formar uma nova muda e florir normalmente. Sempre se lembre de deixar a planta firme no vaso sob risco de ela parar de crescer e ter dificuldades de vegetar.

                          BOM CULTIVO A TODOS!!

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

COMO DEFINIR A REGA PARA SUAS PLANTAS? VERÃO, TEMPERATURA, AGUA E UMIDADE!


Neste texto escrevi dicas para a rega e manutenção da umidade ambiente para que nossas plantas possam aproveitar o melhor do verão, porque com o aumento gradativo da insolação e da temperatura nessa época do ano pode acabar prejudicar as espécies de orquídea de clima tropical se faltar a umidade no ambiente onde você cultiva suas plantas.
Para o sucesso no cultivo domestico, os fatores climáticos devem estar sempre o mais equilibrado possível sob risco de as plantas sentirem dificuldade de vegetar
O tipo de jato usado para regar as plantas 
de ser brando para poder ajuda a simular
as chuvas e facilita a rega sem machucar a planta!
Um grande problema que acaba acontecendo no verão é que as falhas/faltas de cultivo que se iniciaram no inverno culminem agora por ser a estação mais quente e ensolarada do ano onde as orquídeas tem um aumento no seu metabolismo.
Observem esse cultivo onde a rega é diária, e o
ano todo. Os vasos na maioria são de cerâmica ou cachepôs
 e o substrato é de secagem rápida. As espécies cultivadas
(Maioria Vandas) necessita de alta umidade. A ventilação
excessiva atrapalha um pouco por isso o chão é molhado 

todo dia, alem da rega nas plantas.  
As plantas que não receberam adubação acabam desnutridas pois gastam suas reservas e não conseguem repor. Isso somado aos ambientes mal iluminados, ar seco e vasos de plantas com substrato velho favorecem os ataques de insetos como cochonilhas, caracóis, lesmas, alem de fungos parasitas que adoram ambientes com Ph acido. Por isso se você está tendo problemas precisa ir aos poucos revertendo isso, criando o ambiente ideal antes de mais nada, pois é a forma mais fácil para as plantas terem saúde o ano todo. 
Uma das grandes duvidas de quem inicia no cultivo de orquídea é, ""Como e quando devo molhar o vaso?"
Isso é uma pergunta frequente e a resposta é infinitamente relativa, primeiro que por causa das estações do ano com seus climas específicos, a quantidade de regas com toda certeza passa a ser diferente estação a estação. 
Depois tem o local, o cantinho, o "jardim particular dos sonhos" onde elas ficam que varia de casa para casa. Nas construções da maioria das casas a tendencia é o ambiente ser improprio para se ter orquídeas, isto é, ou é seco demais, vento demais ou de menos e sol de mais ou de menos.
A escolha dos vasos está relacionada com o ambiente e a
espécies que se cultiva. Quanto mais homogeneo for a escolha
mais facil a manutenção da rega
E por ultimo como e em que tipo de vaso e substrato suas plantas estão. Quanto ao vaso, os de plástico tem uma secagem lenta enquanto o vaso de cerâmica e os cachepôs de madeira secam bem rápido. 
quanto ao substrato existem os que acumulam umidade por mais tempo como o musgo esfagno ou o chips de coco, e os  substratos que seca mais rápido como o carvão vegetal, pedras, casca de macadâmia, casca de madeira dura. 
Definido tudo isso, fica mais fácil para definir a frequência das regas.  

Então vamos as dicas para você poder definir a rega de suas orquídeas:

*Procure usar o mesmo tipo de substrato para todas as suas plantas pois a secagem vai ser mais homogênea. Para definir qual a melhor opção de substrato é preciso observar o ambiente de cultivo. se seco demais substratos que acumulam mais umidade, se úmido mais úmido substrato de secagem rápida. Nessa escolha é possível usar uma combinação onde o equilíbrio da umidade vai ser melhor. Por exemplo a casca de pinus misturada ao carvão vegetal.


Neste orquidário o ambiente pode ser muito seco para
as plantas se a rega não for frequente. Como o chão
 é de piso,  molha-lo todo dia ajuda a aumentar
a umidade para as plantas.
O sombrite diminui a intensidade do sol e a
temperatura tambem
*A umidade relativa do ar (quantidade de vapor d´água existente na atmosfera) nunca deve estar abaixo de 30%, caso contrário, as plantas se desidratarão rapidamente, o que, aliás, também ocorre conosco. Em dias quentes, a umidade relativa do ar é menor, por isso é necessário manter o ambiente úmido e molhar não apenas a planta, mas também o próprio ambiente, chão e paredes. Num jardim, com muitas plantas e solo de terra a umidade relativa é bem maior do que numa área sem plantas com piso de cimento. 
O sombrite ajuda a diminuir a temperatura abaixo dele e a insolação também. Colocar vasos de plantas abaixo das orquídeas aumenta a umidade do ambiente e simula o que se encontra na floresta. Nesse caso o cultivo deve ficar a meia altura com o sombrite em cima e os vasos de plantas abaixo. Para que tem terra no chão abaixo das plantas pode se colocar pedrisco ou plantar alguma planta de forração para segurar melhor a umidade.

* Nunca molhe as plantas quando as folhas estiverem quentes pela incidência de luz solar, pois o choque térmico pode causar pequenas lesões que servem de porta de entrada para doenças. molhe o chão!

*Quando regar evite jatos diretos nas plantas pois isso pode danificar o enraizamento deixando a planta solta no vaso. Caso isso aconteça tente fixa-la novamente pois planta solta para de crescer.

 *Molhe suas plantas sempre pela manhã ou no fim da tarde apos o sol abaixar no horizonte. Faça isso simulando uma chuva, ou então como nos orquidários profissionais instale aspersores para facilitar a rega e torna-la mais homogênea.
Se precisar molhar durante o dia, prefira molhar o ambiente e não as folhas das plantas pois o calor causa choque térmico abrindo pequenas feridas por onde podem entrar os fungos. A umidade é extremamente benéfica, mas precisa ser de forma gradual. Se está quente demais(acima de 28 graus)  molhar o chão vai diminuir a temperatura e aumentar a umidade através da evaporação!
Fazer furos na lateral do vaso ajuda na
secagem das raízes e do substrato.
 *Para quem cultiva em vasos plásticos na maioria das vezes o que se observa é que na parte mais alta, o substrato seca mais rápido e no fundo o substrato se mantem úmido. Isso prejudica a maioria das orquídeas epífitas pois as raízes delas precisam secar entre uma rega e outra.  Para descobrir isso você pode usar um palito de madeira e enfiar no vaso para ver se no fundo dele ainda existe umidade antes de regar de novo. 


*Para melhorar a aeração do substrato nos vasos plásticos é possível fazer furos nas laterias aumentando a circulação de ar e aumentando a secagem apos a rega.

*Nunca em hipótese nenhuma coloque pratinho em baixo do vaso porque isso é extremamente prejudicial às orquídeas. Ao invés disso se for necessário aumente a quantidade de vezes que rega suas plantas!

*Os vasos de cerâmica e os cachepôs são os vasos mais usados para o cultivo domestico pois secam mais rápidos permitindo uma nova rega, como o ambiente nas residencias tende a ser mais seco acaba equilibrando melhor a relação de umidade/ rega para as orquídeas, com exceção das plantas que realmente precisam de mais umidade nas raízes onde o vaso plastico é o mais indicado.

Cultivar direto na madeira vai exigir uma
umidade bem maior no ambiente e
também um numero maior
de regas chegando a ser diaria durante o verão!
*Dentro de um cultivo de orquídeas é mais vantajoso obter um cultivo homogêneo tanto de espécies que convivem com as mesmas necessidades de clima como também o uso do mesmo tipo de vasos em que elas estão plantadas. Isso porque dessa forma o orquidófilo consegue minimizar as dificuldades de se regar suas plantas, pois a secagem vai ser homogênea facilitando a reposição da rega.

*Na floresta muitas vezes as plantas ficam dias sem rega. Elas são adaptadas a isso, só que o ambiente fica úmido a noite, existe o sereno e de manhã muitas vezes o ar fica tão úmido que as plantas ficam molhadas. 



*Quando iniciei no cultivo de orquídeas aprendi com os orquidófilos mais experientes que regar uma orquídea é diferente de manter o ambiente úmido. Regar você pode regar uma ou duas vezes por semana, onde você molha o substrato e a planta, mas para a manutenção da umidade ambiente em ambientes muito secos você vai ter que ligar a mangueira todo dia e molhar o ambiente de manhã e de tarde. Isso é que vai fazer com que esse ambiente se parecer mais com uma floresta. 

*Se você puder ter uma fonte, lago ou piscina próximo ao cultivo a umidade do ambiente vai aumentar, o ambiente melhora para as orquídeas e a rega poderá ser mais espaçada.

*Se você molhar com um regador, ou borrifador um vaso muito ressecado, provavelmente poderá ocorrer de água encontrar um canal por onde escorrer saindo pelo fundo do vaso e o resto do substrato vai continua totalmente seco. Um meio de verificar a umidade do vaso é  segurando com as mãos para sentir o peso ou através de um exame visual.

*Quando o vaso secar completamente a melhor maneira de regar é imergir o vaso num recipiente com água e deixar por alguns minutos. isso vai ajudar a hidratar a planta.
*Não use a mesma água em que foi mergulhado um vaso, para outro, pois, se no primeiro houver fungos nocivos à planta, o outro vaso irá se contaminar, a não ser que você tenha certeza que não haverá problemas.
www.agrooceanica.com.br
*Inclua uma boa adubação para suas orquídeas, pois a nutrição faz com que as plantas consigam vegetar plenamente regulando suas funções, evitando uma evaporação excessiva e capacitando ela a aproveitar melhor a luz do sol! Molhar as plantas lixivia os nutrientes do substrato pouco a pouco e por isso toda orquídea precisa dessa reposição de nutrientes regularmente para se manter bonita e poder florir! São 13 nutrientes essenciais que uma orquidea precisa entre macros e micronutrientes, então se você só usa um NPK(apenas 3 macronutrientes dos 13 que ela precisa) ou não usa nada em algum momento as plantas vão sentir dificuldade de vegetar você molhando ou não. 

 Alem de dar atenção especial ao local onde se cultiva as suas orquídeas procure observar as modificações do clima ao longo do ano, as épocas de chuvas e a posição do sol, pois são fatores usados para se definir a quantidade de regas para as nossas orquídeas. 
Abraços a todos e muitas flores!!!

sábado, 19 de novembro de 2016

ILHA DE ANCHIETA- UBATUBA SP -PARAISO PRESERVADO-

Capivara tomando banho de sol na saida do corrego da represa que acaba na enseada da praia de palmas. os animais ficam soltos no parque e convivem em harmonia com os visitantes.


Vista da trilha que terrmina na praia do sul. No meio
 da trilha há um mirante com vista para 
toda a enseada das Palmas. A agua do mar
tem um linda cor turquesa!
Neste mês de novembro fui visitar a ilha de Anchieta, que fica no Mar de Ubatuba-SP.A ilha faz parte do parque e nada pode ser alterado mais, e por esse motivo tanto a fauna como a flora se destacam aos nossos olhos mostrando sua beleza!!
 O passeio até que foi rapido, cerca de três horas apenas( snif), mas mesmo assim pude alem de nadar nas águas claras de suas praias, observar os animais que vivem soltos pela ilha e também apreciar algumas especies de orquídeas! Entre as que pude observar, o epidendrum radicans e o epidendrum latilabre em muitas e grandes touceiras nas amendoeiras de praia e em outras arvores da 
Catasetum sp- como estava sem flor só deu
para admirar a imponencia de seus brotos
enormes
ilha, que tambem abrigavam a cattleya intermédia e espécimes de catasetum e também de cyrtopodium. Pelo chão da mata encontrei a oeceoclades maculata.
Acredito que existam muitas outras especies de orquídeas no restante da ilha, mas para descobri-las seria necessário passar mais tempo lá e estar preparar para se aprofundar nas matas da ilha.


Epidendrum latilabre- é a mais abundante
na ilha. Este exemplar estava proximo as 
ruinas do presidio em uma amendoeira 
de praia.




 Os animais da ilha não se incomodam muito com as pessoas passeando por lá e por isso é possível ver quatis, capivaras e bugios, alem de gaivotas e muitas espécies de pássaros.
Para quem vai para Ubatuba e gosta de sossego, a visita a ilha é uma ótima pedida para descansar em contato com a natureza, e também se banhar em águas calmas e transparentes. 
Dependendo da embarcação é possível chegar a ilha em pouco mais de quinze minutos, tornando a Ilha Anchieta em um dos locais mais procurados pelos turistas durante o ano todo com seu belo visual de Mata Atlântica.
Aguape comum de agua doce tambem é encotrado na ilha.
e este totalmente florido não podia deixar de ser fotografado!
 Alem disso, praias belíssimas, trilhas ecológicas, passeios pelas ruínas do antigo presídio e um dos melhores pontos para mergulho do Brasil. 
 A Ilha Anchieta é a segunda maior ilha do litoral de São Paulo. São 828 hectares, que hoje fazem parte do parque estadual da ilha anchieta.

Algumas das plantas da ilha eu não
conhecia ainda
e me encantaram por tamanha beleza!!
Na Ilha encontramos também um pouco da história do Brasil. Habitada por índios até o inicio do século XIX, foi conhecida nesta época como Terra de Cunhambebe. Batizada pelos colonizadores como Ilha dos Porcos em 1904, teve nela instalada uma colônia correcional, posteriormente transformada em presídio político. Em 1934 o nome da ilha foi mudado para Ilha Anchieta como parte das homenagens ao quarto centenário do nascimento do Padre José de Anchieta.
  Em 1945 foram recolhidos a ilha o grupo de japoneses que faziam parte do Shindo Renmei, uma associação de carater nacionalista criada no interior do Brasil na decada de 1940 por isseis. Os Membros mais fanaticos da organização cometiam atentados violentos contra os descendentes japoneses que acreditavam na derrota japonesa na segunda guerra. O grupo matou pelo menos 23 pessoas e feriu outras 147 antes de serem levados a ilha. A maioria da pessoas atacadas pela Shindo Renmei eram imigrantes de origem japonesa.
 Em 1955, após intensas rebeliões carcerárias o Presídio acabou sendo desativado. 


Vista aerea da ilha de anchieta
Apos a desativação do presidio, a ilha ficou praticamente abandonada até 29 de março de 1977, quando foi criado o Parque Estadual da Ilha Anchieta, hoje integrado à rede de Unidades de Conservação administrada pela Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo através do Instituto Florestal. A parte historica da ilha possui mais de 2000 metros quadrados de edificações conservadas, juntamente com as ruinas do antigo presidio, quartel e vila civil.
Muitas das plantas da ilha tambem foram sendo
 trazidas desde a epoca da colonização. 
O Parque ocupa a totalidade da Ilha Anchieta e, além de proteger as riquezas naturais, preserva o rico patrimônio histórico- cultural representado pelas ruínas do presídio e suas instalações. Em visita a ilha e a sede do parque os monitores contam aos visitantes toda essa historia bem mais detalhada, incluindo outras historias que não conto aqui...
Hoje em dia, a Ilha Anchieta mudou totalmente seu perfil, passando a ter sua fauna, flora e riquezas históricas protegidas pelo Parque Estadual da Ilha Anchieta que tem como objetivos a proteção e a conservação desses ecossistemas naturais; o desenvolvimento de pesquisas cientificas; a realização de atividades de educação ambiental e de recreação em contato com a natureza. Neste sentido oferece atividades relacionadas ao ambiente natural como caminhadas ecologicas, praticas de mergulho e contemplação da paisagm exuberante! Os principais ecossitemas existentes no parque são o marinho, Floresta ombrofila densa, Restinga e vegetação de costões rochosos. Na ilha há tambem diversas espécies de aves, repteis e anfibios.


Flores da Ipomoea pes-caprae,
conhecida como ipomeia da praia.

Na sede do parque, encontramos muitas informações e painéis fotográficos, monitores de turismo para trilhas ecológicas e culturais. As instalações do antigo presídio, em ruínas, atraem o público para viver a atmosfera onde aconteceram importantes fatos para nossa história. E além dos turistas, mergulhadores, pesquisadores e outros estudiosos procuram a Ilha Anchieta durante todo o ano.

Bromelias fazem um show a parte e
são abundantes nos habitats
 de mata atlantica da ilha.
A Ilha Anchieta possui trilhas que constituem um imperdível contato com a Mata Atlânticas e suas belas praias. Ao desembarcar na ilha, o turista encontra monitores credenciados que acompanham os grupos por essas trilhas e a maioria delas, só podem ser percorridas com a assistência destes.

Algumas recomendações para estar preparado para esta aventura:
Alimentação: água, barra de cereal, lanche e restaurante na ilha.
Vestuário: bermuda, calçado apropriado e boné.

Acessórios / Equipamentos: repelente, protetor solar, óculos de sol, máquina fotográfica e mochila.



Duas das trilhas mais recomendadas para o seu passeio:

Epidendrum radicans- Especie de orquidea muito
encontrada em ubatuba. Tambem conhecida como
orquidea beija flor por suas flores fazerem alusão
ao passaro sugando o nectar da flor.
Trilha do Saco Grande - A caminhada começa na praia do presídio percorrendo uma área direcionada a estudos e pesquisas e segue em direção a um antigo Quartel onde foram mortos soldados e civis na rebelião de 1952. A vegetação está se regenerando e ocupando as casas da antiga Vila militar, trazendo de volta os primeiros moradores da mata. Ao final da trilha no costão rochoso deparamos com um mirante das ilhas da região e do mar aberto. Em dias claros é possível avistar tartarugas marinhas em seu habitat natural. Na volta tome uma ducha (Ducha do Maneco) reservada aos que fazem o passeio.


Praia do sul, onde termina a trilha.
Aguas calmas para as crianças nadarem! Entre as pedras,
é possivel observar centenas de peixes
formando um aquario natural!
Trilha da Praia do Sul - O caminho já era utilizado antigamente pelos pescadores e moradores da região. Hoje a trilha está documentada com capacidade de carga e pontos interpretativos da Mata Atlântica, restinga, lendas, histórias e grande variedade de fauna que é fonte de estudo para as escolas que visitam o Parque.
No meio da trilha há um mirante com vista para toda a enseada das Palmas.
Ao chegar à praia paradisíaca convive-se com pescadores tradicionais. A praia do sul com sua água cristalina e abundante vida marinha é um convite para o mergulho livre.



 Mais informações: (http://www.ambiente.sp.gov.br/parque-ilha-anchieta/)
a) Sede Administrativa:
Dias e horário de funcionamento: Diariamente das 9h às 17h. Exceto às quartas-feiras.
Telefones para informação: (12) 3842-1231
E-mail: pe.ilhaanchieta@fflorestal.sp.gov.br 
Gestor (a): Priscila Saviolo Moreira
Endereço: Avenida Plínio de França, Nº 85 - Saco da Ribeira - Ubatuba-SP ( Píer Saco da Ribeira )

b) Visitação:
Dias e horário de funcionamento:de segunda-feira a sexta-feira das 9 às 17h.
Fechado às quartas-feiras para manutenção ,e aberto todos dias durante os messes de dezembro, janeiro e fevereiro.
Endereço: Ilha Anchieta

Ingresso: R$ 13,00 por pessoa

Crianças de até 12 anos, adultos com mais de 60 e pessoas com deficiência também não pagam. Estudantes pagam meia entrada, mediante apresentação de documento.